HUMANIZAÇÃO DO PROCESSO ESCOLAR TAMBÉM É PAUTA DA FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES QUE FAZEM A DIFERENÇA EM OURO VERDE.

 

Além do processo de ensino aprendizagem entre professores e alunos que deixou de ser fundamentado apenas na transferência de conhecimento, a inteligência emocional foi o fio condutor da palestra proferida no dia 12 de junho de 2018, pelo professor Airton Rodrigues.

A base reflexiva dessa formação  é a consideração de que o professor é um ser integral, dotado de razão e emoção (GOLEMAN, 1995) e que tem um inconsciente individual e coletivo (JUNG, 1981) que está no centro de suas ações.

Segundo o Dirigente Municipal de Educação, Rodrigo Barbosa da Cruz, esta formação parte de uma reflexão e busca do autoconhecimento para, a partir dele, (re) significar sentimentos e comportamentos na busca da qualidade do processo ensino-aprendizagem e compreender as mudanças ocasionadas no seu cotidiano profissional a partir desse novo olhar sobre si mesmo e sobre o outro.

Larissa Pietrucci, Supervisora de Ensino municipal, entende que vivemos em uma sociedade na qual não há mais certezas, a reordenação mundial, o avanço tecnológico, a velocidade das informações e dos transportes que são acontecimentos da contemporaneidade e trouxeram a necessidade de se repensar os sistemas de educação.

O palestrante, paranaense foi pontual quando se referiu à formação profissional dos professores que é basilar neste processo de reflexão-ação-reflexão, pois a estes profissionais é atribuída a tarefa de educar pessoas e a quem é dada missão de preparar pessoas para a luta por uma sociedade e planeta sustentáveis física, social, econômica, cultural e politicamente. O sistema educacional está, constantemente, sendo chamado a cumprir a sua função social e ao professor é atribuída a atuação como protagonista da tarefa de educar para a era planetária. Dele é cobrado um corpus de saberes (TARDIF, 2002) que nem sempre condiz com a formação a ele proporcionada.